Barulho Infernal - A História Definitiva do Heavy Metal

Por: Paulo Sérgio de Oliveira Borges
Contato: paulo.o.borges@icloud.com

Com aproximadamente 700 páginas, esse livro reúne centenas de entrevistas com membros de bandas e demais pessoas ligadas à cena metaleira, para traçar uma espécie de arvore genealógica do Heavy Metal, enquanto subgênero musical do Rock.

 

A forma em que as ideias foram organizadas, através de colagens de textos de entrevistas, sem paráfrases, com intervenção dos Autores apenas para estabelecer conexão entre os assuntos, dão a impressão de que a história é narrada pelos próprios músicos, o que é interessante e aproxima o leitor das bandas.

 

Quem já leu biografias como a do Metallica, Black Sabbath e Slayer (que são excelentes), perceberá que este livro não tem o objetivo de aprofundar-se na história de determinada Banda, mas sim, organizar os fatos mais relevantes das que foram pioneiras em cada gênero, de modo a demonstrar o efeito dominó que isso causa no cenário musical como um todo.

 

O livro inicia sua investigação na década de 60, época em que os Kinks modificavam sua aparelhagem buscando uma sonoridade mais agressiva e que permitisse expressar suas emoções com mais afinco, o que me foi bastante esclarecedor, considerando que as canções "You really got me" e "I Need you", apesar das letras aparentemente inocentes, tem riffs pesados e provocantes. O guitarrista chegava a cortar o cone dos alto falantes do amplificador com uma navalha, para atingir o nível de distorção desejada, o que é insano, em se tratando dos anos 60.

Passando pelos anos 70, com razão o livro enfatiza o Black Sabbath, Judas Priest e AC/DC. O Led Zeppelin não é apontado como um idealizador do heavy metal, porque de fato essa não era a praia deles, que sempre puxaram pro rock/blues.

 

Uma das presenças mais marcantes nessa arvore genealógica, novamente com acerto, é o NWOBHM - new wave of britsh heavy metal – do final da década de 70 e início dos anos 80, cujas grandes estrelas são, sem dúvida, o Iron Maiden, a nova banda de Ozzy Osbourne (com Rhandy Roads), e o Motorhead.

 

Adiante, a popularização do Metal é atribuída ao Hair Metal, obviamente representado por Mötley Crue, Skid Row, Poison e Guns N' Roses e os lugares onde todas essas bandas frequentavam.

 

O Trash Metal foi muito bem abordado, trazendo à tona a história do Metallica (inclusive a treta do Dave Mustaine) Megadeth, Slayer, Exodus, Anthrax e Testament, e mais além, do Pantera (como uma releitura do trash). Essas bandas fizeram parte da minha adolescência, logo, foi uma das partes do livro que mais me agradou a leitura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com relação ao Death Metal, claro que há o reconhecimento do Cannibal Corpse como a maior banda do gênero, o que não comporta discussão, além das menções honrosas ao Venom, Six Feet Under, Death e Morbid Angel, entre outras. Já no Black Metal, o destaque é a história do Burzum e o "embaixador" desse gênero, Euronymous.

 

Uma grata surpresa é a honrosa menção que o livro faz aos brasileiros do SEPULTURA, enquanto banda pioneira do Death/Trash Metal (sim, seus primeiros discos, Bestial Devastation e Morbid Visions eram bem mais Death que qualquer outra coisa). Pena que poucos parágrafos foram destinados aos guerreiros brasileiros.

Motorhead
Motorhead
press to zoom
Ozzy + Randy
Ozzy + Randy
press to zoom
Megadeth
Megadeth
press to zoom
Iron Maiden
Iron Maiden
press to zoom
Exodus
Exodus
press to zoom
Pantera
Pantera
press to zoom
Testament
Testament
press to zoom
Slayer
Slayer
press to zoom
Metallica
Metallica
press to zoom

O livro também fala sobre Crossover/Hardcore, Metal Industrial, Nu Metal, Metalcore e Metal Alternativo, mas deixarei as conclusões sobre a importância desse género aos respectivos apreciadores.

É muito provável que o leitor não se identifique com todos os estilos. Pessoalmente, tenho mais intimidade com as bandas dos anos 70, NWOBHM, Trash e Death Metal, mas de forma geral, não há como discordar dos Autores em relação à cronologia e a importância de todas as bandas e estilos retratados, para o Heavy Metal como um todo.

 

Os óbitos também foram muito bem abordados pelo livro, a exemplo de Cliff Burton (foto), Rhandy Roads, Peter Steele e Euronimus.

 

Caso você esteja se perguntando, SIM o Black Sabbath é citado como o pai do Heavy Metal, SIM o Master of Puppets é retratado como o melhor álbum de Trash de todos os tempos, e SIM o Reign in Blood (foto) é abordado como o álbum mais pesado de sempre. Quem concorda com essas afirmações pode ficar tranquilo que o livro não quer convencer ninguém do contrário.

 

Algo que me agradou muito, foi o fato de ser apresentado a várias bandas que não conhecia, ou simplesmente ignorava até ter noção da importância delas para o Heavy Metal.

De autoria de Jon Wiederhorn e Katherine Turman, o BARULHO INFERNAL é publicado no Brasil pela CONRAD EDITORA, encadernado em capa dura, e custa entre R$ 80,00 e R$ 90,00 pela internet.

 

 

 

Esse artigo foi escrito ouvindo o álbum Repentless, do Slayer. \m/