Buscar

1ª Mostra DocumentaCena


Curitiba sedia, de 8 a 10 de novembro, a 1ª Mostra DocumentaCena, promovida pela DocumentaCena – Plataforma de Crítica, que propõe três dias de convívio entre artistas, críticos e espectadores, aproximando essas três perspectivas fundamentais para o acontecimento teatral. A programação, gratuita, inclui apresentações de peças teatrais de artistas da cidade, conversas com os grupos, uma oficina de crítica e dramaturgia, além do lançamento de publicações especializadas em teatro.

Esses encontros são um aquecimento para envolver a cidade e críticos visitantes nas atividades do Idiomas – Fórum Ibero-Americano de Crítica de Teatro, que será realizado em seguida, de 11 a 13 de novembro, na CAIXA Cultural Curitiba.

O público poderá assistir a três espetáculos curitibanos que evidenciam distintas linguagens e gerações do teatro na cidade: “Ilíada – Canto XIII”, com direção de Octávio Camargo e performance da artista Katia Horn, no dia 08, às 19h30, no Teatro do SESI Portão; “Os Pálidos”, da CiaSenhas de Teatro, com direção de Sueli Araujo, no dia 09, às 19h30, na Sede da CiaSenhas de Teatro; e “A Maldita Raça Humana”, da Companhia Teatro de Breque, com direção de Nina Rosa Sá, no dia 10, também às 19h30, no Teatro SESI Portão. Após as apresentações, os grupos convidam os espectadores a conversar sobre os trabalhos.

A programação continua com uma oficina de crítica e dramaturgia intitulada “As mãos sujas de sangue”, ministrada por Jorge Louraço, crítico e dramaturgo português, de 8 a 10 de novembro, no Centro Cultural SESI Heitor Stockler de França. Ele recebe pessoas interessadas na interlocução crítica sobre teatro para, a partir das teorias e de análises de exemplos práticos e exercícios de escrita, refletir sobre a relação entre a crítica e a dramaturgia, propondo a análise de cena a cena da peça “Macbeth”, de Shakespeare, além da reescrita de uma cena do espetáculo.

No dia 10 de novembro, às 16h, na Casa Selvática, acontece o lançamento da “Trema! Revista”, de Pernambuco, e do “Caixa de Pont[o] – Jornal de Teatro”, de Santa Catarina.

A curadoria da Mostra DocumentaCena é de Daniele Avila Small, fundadora e editora da revista eletrônica Questão de Crítica, e Luciana Romagnolli, fundadora e editora do site Horizonte da Cena. A mostra é a primeira realizada pela DocumentaCena – Plataforma de Crítica, coletivo formado pelo site Horizonte da Cena (Belo Horizonte/MG), pelo blog Satisfeita, Yolanda? (Recife/PE) e pela revista eletrônica Questão de Crítica (Rio de Janeiro/RJ), que atua desde 2013 em ações de intercâmbio entre críticos, jornalistas e pesquisadores de teatro de diferentes estados do Brasil.

A plataforma também idealiza, no mês de novembro, em Curitiba, o IDIOMAS – Fórum Ibero-Americano de Crítica de Teatro.

SOBRE AS PEÇAS:

ILÍADA – CANTO XIII

Grande mortandade feita pelos Troianos entre os Gregos. — Netuno comovido por este triste espetáculo vem em socorro dos navios Gregos. — O deus do mar desperta a coragem dos dois Ajax e dos outros combatentes. — Heitor por sua vez encoraja as suas falanges. — Teucro imola o Troiano Ímbrio — Feitos dos dois Ajax, que ferem a Heitor e o repelem para longe. — Netuno irritado pela morte de Anfimaco prepara aos Troianos novas calamidades. — O deus excita Idomeneu ao combate. — Idomeneu vai buscar em sua tenda Merion, seu fiel escudeiro, e com ele se dirige para a esquerda do exército. — Terrível peleja entre os Gregos e os Troianos. — Júpiter favorece aos Troianos, e Netuno protege os Gregos. — Idomeneu faz prodígios de valor. — Pende a vitória para o lado dos Gregos. — Heitor fica em seu posto inabalável. — Os dois Ajax avançam com seu exército ao encontro do herói Troiano. — A conselho de Polidamas, Heitor reúne todos os guerreiros, e dirige a Páris amargas censuras. — Páris defende-se das acusações. — Os dois irmãos lançam-se à peleja e pretendem levar a perturbação ao centro dos Gregos. — Ajax, certo por um feliz presságio, recomeça o combate. — Horríveis clamores que se elevam de todas as partes.

Ficha Técnica

Direção: Octavio Camargo | Elenco: Katia Horn| Iluminação: Beto Bruel | Assistência, desenho de mapa e execução de luz: Daniele Regis | Cenografia: Eneas Lour | Figurino: Ricardo Garanhani | Captação de áudio: Filipe Castro | Arte gráfica: Foca Cruz | Fotografia e documentação: Gilson Camargo| Tradução: Manoel Odorico Mendes | Realização: Ilíadohomero Companhia de Teatro

Duração: 65 minutos | Classificação: 12 anos

OS PÁLIDOS

Tendo como ponto de partida dois clássicos de Luis Buñuel: “O Anjo Exterminador” e “O Discreto Chame da Burguesia”, “Os Pálidos” reflexiona sobre estados de inércia, paralisação e anestesia em um ato urgente de pensar o mundo e a cena.

A peça, com texto e direção de Sueli Araujo, acontece em dois ambientes simultaneamente, dividindo a plateia e propondo um diálogo permanente com o público, recortando-o e sugerindo todo tipo de cisão. Em cena, ao invés de personagens tradicionais, os atores exploram vozes contraditórias, visões de mundo e formas de pensamento e conduta que tentam forjar uma atitude, construir um gesto que faça a diferença no mundo. Porem, são seres paralisados, medicados e em estado de absoluta suspensão. Em dissonância a este estado das coisas, a cena é revestida com diversos tipos de plantas, investindo na possibilidade de percepção da vida para além da quase morte e apatia das figuras da montagem.

Ao mesmo tempo em que o espetáculo aciona um tipo de humor desestabilizante e estabelece pontos de relação com o espectador, cria espaços de discussão sobre criação de condições de sobrevivência e de formas de estar junto. São situações em que um tipo de micropolítica está sugerida.

Ficha Técnica

Dramaturgia e Direção: Sueli Araujo | Atuação: Anne Celli, Ciliane Vendruscolo, Greice Barros, Luiz Bertazzo e Rafa di Lari | Cenário e Figurino: Paulo Vinícius | Designer de Som: Ary Giordani | Designer de Luz: Wagner Corrêa | Direção de Produção: Marcia Moraes | Produção Executiva: Edran Mariano | Assistente de Produção: Mariana Freitas | Designer Gráfico: Adriana Alegria | Assessoria de Imprensa: Fernando de Proença | Fotos: Elenize Dezgeniski

Duração: 90 minutos | Classificação: 12 anos

A MALDITA RAÇA HUMANA

“A Maldita Raça Humana” é uma peça livremente inspirada no livro “Dicas Úteis para uma Vida Fútil" de autoria de Mark Twain. No espetáculo uma macaca vive confinada em um espaço que lembra uma cozinha.

Seu cotidiano é frequentemente alterado pela chegada de encomendas embaladas em caixas de papelão. A relação com cada um desses objetos recebidos revela um olhar crítico sobre a humanidade tecendo singelamente a trajetória da personagem.

Quem envia as encomendas que chegam constantemente? Que espaços se abrem para que estes objetos ocupem lugar? Quem são os seres que a observam através do buraco na parede?

“A Maldita Raça Humana” propõe uma reflexão sobre o homem e o nosso tempo a partir da obra de um notável pensador - uma figura singular que atravessou gerações e cujo discurso é extremamente atual. O inconformismo, o senso crítico e a radicalidade formal de Mark Twain foram fontes de inspiração na construção da dramaturgia. Nesse sentido, a peça desloca o olhar da plateia ao abrir mão da linguagem falada e investir na dramaturgia do gesto para potencializar os sentidos e contar uma história que pode ser lida de maneira distinta de acordo com o repertório de cada um dos espectadores.

Ficha Técnica

Direção: Nina Rosa Sá | Elenco: Rodrigo Ferrarini, Pablito Kucarz e Gabriel Gorosito | Luz: Nadja Naira | Sonoplastia: Marcelo Torrone | Cenário: Paulo Vinícius | Direção de Movimento: Carmem Jorge | Figurinos: Maureen Miranda | Direção de Produção: Michele Menezes | Dramaturgia: Criação Coletiva

Duração: 65 minutos | Classificação: Livre

SERVIÇO | MOSTRA DOCUMENTACENA

DE 8 A 10 DE NOVEMBRO DE 2016

“AS MÃOS SUJAS DE SANGUE”

Oficina de Crítica e Dramaturgia com Jorge Louraço (PT)

CENTRO CULTURAL SESI HEITOR STOCKLER DE FRANÇA

(Av. Marechal Floriano Peixoto, 458 - centro)

das 10h às 13h

ENTRADA FRANCA via inscrição através do email: sesicultura.hsf@sesipr.org.br

(enviar uma biografia de 5 linhas)

8 DE NOVEMBRO DE 2016

ILÍADA - CANTO XIII

TEATRO SESI PORTÃO

(R. Padre Leonardo Nunes, 180 - Portão, Curitiba – PR)

às 19h30

ENTRADA FRANCA

9 DE NOVEMBRO DE 2016

OS PÁLIDOS

SEDE DA CIASENHAS DE TEATRO

(R. São Francisco, 35 - centro)

às 19h30

ENTRADA FRANCA

10 DE NOVEMBRO DE 2016

A MALDITA RAÇA HUMANA

TEATRO SESI PORTÃO

(R. Padre Leonardo Nunes, 180 - Portão, Curitiba – PR)

às 19h30

ENTRADA FRANCA

LANÇAMENTO DA “TREMA! REVISTA” E DO “CAIXA DE PONT[O] – JORNAL DE TEATRO”

CASA SELVÁTICA

(R. Nunes Machado, 950 - Rebouças, Curitiba – PR)

às 16h00

ENTRADA FRANCA


0 visualização