Buscar

90 anos de Folclore Ucraniano Barvinok no Paraná

Grupo recebeu honraria do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia esta semana, e também estará na versão virtual do Festival Folclórico de Etnias, que será realizado em agosto.|


A história do Barvinok começou há exatos 90 anos, quando um grupo de imigrantes ucranianos deu início a um projeto cultural, com o objetivo de preservar suas tradições no Paraná. Em sua sede em Curitiba, atualmente, o grupo movimenta as famílias de descendentes em torno de várias atividades. As mais famosas são o canto coral e as danças folclóricas, que reúnem juntas 150 integrantes.


Os saltos acrobáticos de algumas coreografias, o colorido dos figurinos e a alegria no sorriso de cada participante, são características marcantes das apresentações.


Em 2020, porém, o que vai ficar marcado no álbum de retratos do aniversário de nove décadas de uma trajetória de muita alegria e confraternização da comunidade ucraniana, será a fotografia de um período diferente.

Solange Maria Melnyk Oresten é Diretora do Departamento do Folclore Ucraniano Barvinok, da Sociedade Ucraniana do Brasil, e relata como tem sido esse momento. Durante toda a sua vida, o grupo teve um papel de destaque na rotina de suas atividades diárias. Seja porque quando tinha seis anos iniciou seus estudos junto à comunidade, seja porque aos 13 já integrava o grupo folclórico.


E neste momento de pandemia, um dos principais eventos do calendário anual não poderá ser realizado como antes; a apresentação do Barvinok no palco do Teatro Guaíra, na programação do Festival Folclórico de Etnias do Paraná. Não será presencial, mas será virtual, com um compilado das coreografias mais famosas do grupo.


“Este ano tínhamos todo um cronograma de eventos para comemorarmos os 90 anos do grupo. Infelizmente, tivemos que adiar. Mas ainda assim, estamos nos organizando para não deixar passar em branco. E o festival, mesmo que virtual, será um grande momento para todos, cada um em sua casa, onde poderemos reviver o clima do Guaíra e matar as saudades dessa grande confraternização”, afirma Solange.


Para manter os laços com a família Barvinok, ela conta que nesses meses de isolamento social foi possível realizar ações entre os componentes, com o auxílio da tecnologia.

“Fizemos tudo pela internet, desde a passagem de partituras para os coralistas, ensaios de danças para adulto e juvenil, e até dois vídeos de danças do adulto”, relata.

Solange se refere às coreografias do “Zaporozets”e “Hone Viter”, onde cada um gravou um vídeo, dançando em casa. Clique nos links abaixo e assista:


HONE VITER

ZAPO


“Fizemos ainda reuniões por aplicativos, entramos várias vezes em contato com todos por plataformas virtuais de mensagens, para sabermos da condição emocional e financeira, e também para vermos se deveríamos promover alguma ação solidária. Como foi o caso de um de nossos músicos, que está em situação bem difícil. Soubemos essa semana que uma componente e sua mãe, que trabalha na área da saúde, estão com o COVID, mas estão se tratando e passam bem”.

Para o Barvinok, as adaptações para os ensaios presenciais no futuro, certamente farão com que se pensem em medidas de proteção e segurança. Mas, segundo Solange, isso deve demorar para acontecer.

“Dançar de máscaras será difícil, porque nossas danças exigem muitos movimentos rápidos e contato entre as pessoas. Acreditamos que, ao menos nesse ano, será muito difícil nos apresentarmos. Nosso coral, por exemplo, na maioria, é formado por pessoas que estão no grupo de risco. Melhor esperar o tempo dizer o que faremos no futuro. Ainda é cedo para prever”.


A programação do 59º Festival Folclórico de Etnias será virtual, na segunda quinzena do mês de agosto. E a apresentação do Barvinok será nos canais oficiais da Aintepar, associação organizadora do evento no dia 24 de agosto, às 20h.


“Que todos tenhamos calma e serenidade para passarmos por isso JUNTOS! TODOS fazemos parte de uma grande família. E assim agiremos para ajudar qualquer um de nossos irmãos! Fique em casa se puder e siga as normas de segurança!”


Honraria


Mesmo em meio a todo esse isolamento, o Barvinok esta semana conquistou uma honraria do Governo da Ucrânia, assinada pela Vice-Ministra Emine Djapanova, que deixou a todos muito emocionados. Trata-se de uma saudação pelos 90 anos dedicados ao resgate do folclore, manutenção e apoio à cultura ucraniana no Brasil.

Carta emitida pelo Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia

“A lembrança do governo da Ucrânia nos traz à mente todas as pessoas que fizeram parte destes 90 anos e o que cada um, a seu modo, colaborou com isso. Nós, herdeiros desse passado, temos um compromisso, qual seja, manter tradições seculares, mas que em nossas mentes devem ser sempre atuais. Somos Ucrânia, somos tradição, somos Folclore Ucraniano Barvinok!”, declarou Solange.















Galeria de imagens dos últimos festivais:


2019


2018


2017


2016


297 visualizações