Buscar

Coletivo artístico promove o primeiro festival online, com 3 palcos.

O festival tem início às 15h do dia 23 com previsão de término às 7h do dia 24. |

Neste sábado, 23 de maio, será realizado, por meio da plataforma Zoom de videoconferência, o ¼ FEST: De Quarto em Quarto, o primeiro festival online.


Serão 3 salas simultâneas, um lounge, 16 horas de programação e mais de 35 artistas convidados, do Brasil e de Portugal, com o objetivo de unir lugares e pessoas por meio da interatividade.


Os ingressos estarão disponíveis a partir de quarta-feira (20), através da plataforma Sympla e com contribuição mínima de R$10,00, que será revertido para todos os colaboradores do evento como artistas e produtores.


Todas as informações serão divulgadas pelo Instagram do coletivo (@umquartoclub).

Criado em março deste ano, em Lisboa, durante a quarentena, o Coletivo artístico ¼ Club iniciou suas atividades por meio da web e de lá para cá, já foram realizadas sete web parties com artistas de diversas localidades e dois Talks sobre o futuro da arte e do entretenimento. Agora, o coletivo aposta em uma nova proposta de interação. 


A primeira edição do festival contará com artistas do Brasil  (São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Rio de Janeiro, Recife entre outras cidades) e Portugal com apoio de nomes que comandam grandes festas como Cashu (Carolina Schutzer) - DJ e criadora da Mamba Negra, uma das principais festas de música eletrônica do país -, Linda Green (Cecília Lindgren) - DJ brasiliense radicada em São Paulo, artista em ascensão na cena nacional -, Rodrigo Bento - DJ residente do coletivo Pilantragi que já dividiu palco com nomes como Gilberto Gil, Gal Costa, Ney Matogrosso -, Tessuto - figura chave da cena underground brasileira-, e L_cio, músico instrumentista e expoente da música eletrônica nacional, sendo esses dois últimos apoiadores de organizações urbanas inovadoras como a Carlos Capslock, que estarão presentes nesse novo formato de união.


O festival ainda traz uma parceria com o Coquetel Molotov, realizador de um dos festivais mais tradicional e conceituado da cena musical brasileira, convidando as artistas Guma, de Recife e Gab Ferreira, de Santa Catarina.


Os mais de 40 artistas presentes - entre djs e performers - se dividirão em 3 salas principais: Palco Tropical, Palco Discothèque e Palco Techno que também contarão com propostas visuais de artistas independentes. 



Além disso, a Rádio Veneno fará um lounge especial com uma dinâmica de vídeos que se encaixam em uma trilha sonora selecionada por cada um dos participantes por meio de uma playlist. A experiência online de um trabalho conjunto com mais de 50 músicos entre artistas e DJs resultará em uma linha estética desenvolvida pela música apoiada em vertentes experimentais, que transitam entre o ambiente noise e post-punk e com visual focado na temática 3D pós-internet. 


Segundo os produtores, o principal objetivo é criar um intercâmbio de arte, ainda que distante, por meio da interação de artistas com o público. A ideia é chegar  o mais perto da sensação de estar de corpo e alma em um festival, aproximar as pessoas mesmo que em um ambiente digital: beber, dançar, ver os amigos, flertar, enquanto a arte e boa música libertam os participantes conectados.

"A ideia é fugir do formato padrão de live e incentivar a interação entre os usuários, entrando no quarto de cada um deles e dando esse espaço não só para os artistas, mas para todos que estão na festa. Agora com o festival, apostamos nesse formato ainda mais inovador e que tem como objetivo também testar novas formas de movimentar a economia no setor de entretenimento, até então completamente congelado, e proporcionar essa experiência única e inédita pro nosso público. Aguardem muitas novidades e surpresas!", comenta Lucas Bicudo, um dos idealizadores do projeto. 

Sobre o ¼ Club


Nascido em Portugal, mas 100% brasileiro, o Coletivo ¼ Club é filho de quatro produtores  com vontade de criar um ambiente descontraído e acolhedor de troca através das diversas nuances da música e do vídeo independente, queer e underground do Brasil e da Europa. Com as atividades iniciadas em março, sob quarentena, além de promover web-parties, o coletivo também atua como uma produtora de conteúdo alternativo audiovisual para artistas e procura debater e dar novo espaço à cena de Lisboa, inclusive no que é público e acessível para todxs.


É através das plataformas Zoom e Twitch que o coletivo promove seus encontros por meio de web-eventos, chamados ¼ Talk,  para tratar de temas como o futuro da arte e do entretenimento e busca conectar artistas e público com criatividade, movidos pela iniciativa da música experimental e por nuances sonoras independentes, além de figuras marcantes no cenário LGBTQ+. 

17 visualizações