Buscar

Exposição do artista Yutaka Toyota segue em cartaz no MON

"O Ritmo do Espaço” permanece no museu até 28 de fevereiro de 2021.

Canvas Galeria Espaço Harmonia 2019 - aço inox, pintura epoxi

Escultor, pintor, desenhista, gravador e cenógrafo, o artista japonês Yutaka Toyota é também um dos pioneiros do movimento cinético internacional e da arte interativa. Na exposição, o público confere 86 obras selecionadas pela curadora Denise Mattar. Uma delas, instalada na área externa do Museu Oscar Niemeyer.


Embora seja esta uma retrospectiva do artista, que completa 90 anos em 2021 e continua em pleno vigor criativo, a mostra não é estruturada de forma rigidamente cronológica. Contempla trabalhos produzidos a partir dos anos 1960 em diversos suportes e recebeu, em 2018, o prêmio de Melhor Retrospectiva do Ano pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA).


“O espetacular cinetismo proposto pelo artista nos encanta e nos conecta com suas obras”, diz a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika.

“Premiado internacionalmente, com obras em importantes coleções de vários museus no mundo e mais de 100 monumentos instalados em locais públicos, Toyota usa o movimento de estruturas como linguagem artística numa produção espetacular e exemplo de vivacidade”, completa.
Espaço Movimento Infinito, 2018

Em vídeo, curadora e filho do artista convidam para a exposição no MON.

Assista:



Curadoria

Denise Mattar buscou evidenciar a coerência interna da obra de Toyota, sua originalidade e pioneirismo, fazendo conviver trabalhos de diversas épocas ao lado de seu trabalho atual, que continua surpreendentemente intenso. Privilegiando a produção escultórica de Toyota, enfatiza o percurso e as principais questões que permeiam a obra do artista, apontando o processo que o levou da pintura ao objeto e do plano à superfície reflexiva – instaurada como quarta dimensão.


O artista trabalha há mais de 60 anos e nesse período criou milhares de obras entre desenhos, gravuras, pinturas, instalações, painéis escultóricos e esculturas de todos os tamanhos, desde pequenos múltiplos a imensos monumentos, mas sempre foi fiel às mesmas indagações que o fizeram mergulhar no universo das artes, ainda no Japão.

“Aos 15 anos recebi, em Yamagata, o primeiro prêmio de pintura no Salão de Jovens Artistas. Na ocasião, o crítico japonês Atsuo Imaizumi me disse: mantenha sempre as mesmas ideias e perguntas interiores, assim encontrará sua verdadeira arte e produzirá obras verdadeiramente suas, obras originais. E foi o que fiz”, diz Yutaka Toyota.

“O que me interessa verdadeiramente é a conexão entre o homem e o universo. A cultura ocidental responde a essa questão através da física quântica e a oriental, através da espiritualidade. Aceito os dois significados e ambos estão no meu trabalho”, destaca o artista.


Sobre a obra de Toyota, Oscar Niemeyer escreveu: “o que me agrada na escultura de Toyota é a simplicidade natural e não premeditada. A ideia de utilizar o aço e a cor com seus reflexos imprevisíveis. São objetos que se adaptam a qualquer ambiente e, numa escala maior, à própria arquitetura. Parece que a pureza do aço o atrai e desse material talvez decorram as formas diferentes, construtivas ou geométricas, que imagina. Vejo-as, às vezes, numa escala maior, como grandes sinais metálicos cheios de brilho e de luz e as sinto tão belas que as gostaria de ver incorporadas à nossa arquitetura”. Agora, o desejo do criador do Museu Oscar Niemeyer será atendido.

Serviço Yutaka Toyota – O Ritmo do Espaço Até 17 de fevereiro de 2021

Sala 4 Visitação: terça-feira a domingo, das 10h às 18h Museu Oscar Niemeyer Rua Marechal Hermes, 999 - Curitiba, PR http://www.museuoscarniemeyer.org.br

34 visualizações