Buscar

Tributo à Stelinha Egg estreia no dia 12 de outubro

A cantora paranaense Stelinha Egg (1914/1991), recebe na próxima terça uma homenagem à altura de seu talento no projeto: “Tributo à Stelinha Egg: A grande Cantora do Paraná”.

Cantoras e Sérgio Justen

A apresentação musical foi gravada na Casa Heitor Stockler de França, com 75 minutos de duração, e estreia na terça-feira, dia 12 de outubro, às 18 horas no canal do Youtube do projeto, com direção do jornalista Rodrigo Browne, roteiro e pesquisa histórica de Etel Frota e direção musical de Sérgio Justen.


No vídeo, com direção audiovisual de Alan Raffo, a trajetória de Stelinha Egg será relembrada com canções que foram imortalizadas na sua voz, com interpretação de um time de seis cantoras paranaenses: Cris Lemos, Edith de Camargo, Helena Bel, Lais Mann, Margareth Makiolke e Rogéria Holtz, acompanhadas pelos músicos Sérgio Justen (piano), Marcelo Pereira (baixo), Valmir Pegas (bateria) e Marina de Camargo (acordeão).


No repertório estão composições de Dorival Caymmi, Luiz Gonzaga, Catulo da Paixão Cearense, Chico Buarque, entre outros.

O roteiro, escrito pela poeta Etel Frota, vai recordar os principais momentos musicais da cantora paranaense que fez parte do elenco de intérpretes da Rádio Tupi, São Paulo e Cultura, em plena época de ouro do rádio no Brasil. A gravação é pontuada pela voz da própria Stelinha com trechos de sua entrevista com o jornalista Aramis Milarch.


Rogeria Holtz

“A história da cantora será contada por ela mesma. Acredito que conseguimos fazer um recorte da personalidade dessa grande artista paranaense”, comenta Etel que também realizou a pesquisa histórica e musical. O projeto oferece, como contrapartida social, todas as canções e depoimentos de Stelinha Egg com tradução simultânea em libras.

A apresentação é dividida em vários momentos musicais da artista, que se traduz num repertório elegante e sem concessões. “Stelinha cantou aquilo que gostava de ouvir. Seu repertório sempre foi fruto de uma intensa pesquisa da música brasileira com temas regionais, canções infantis, modas de viola, modinhas e toadas que vão desde o tradicional cancioneiro brasileiro até compositores contemporâneos, além de um vasto repertório de canções de Dorival Caymmi. O que unia esse repertório tão eclético foi a marca pessoal que Stelinha imprimia em suas interpretações e que a tornou a grande cantora do Paraná”, avalia Rodrigo Browne, diretor do musical.

No vídeo a multifacetada Stelinha Egg é lembrada pela voz de seis cantoras que desenvolvem uma carreira sólida na cena cultural do Paraná: Cris Lemos, Edith de Camargo, Helena Bel, Lais Mann, Margareth Makiolke e Rogéria Holtz. O pianista Sérgio Justen, diretor musical do projeto, que faz uma ligação entre as gerações musicais do Paraná, lembra que essa homenagem acontece no ano do aniversário de três décadas de sua ausência.


“Nós vamos revelar para o público um pouco mais da personalidade dessa cantora que durante sua trajetória artística e pessoal sempre se mostrou uma mulher avant garde, que conheceu o mundo com sua voz e, curiosamente, nunca teve sua carreira reconhecida no Paraná”, considera.
Cris Lemos

Para reparar essa injustiça histórica, Justen, ao lado de Etel, compôs o tema “Stelinha”, uma homenagem musical que encerra o vídeo de forma emocionante.

O projeto: “Tributo à Stelinha Egg: A grande Cantora do Paraná” foi realizado com recursos do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo.

Stelinha Egg

Cresceu recebendo a influência do ambiente musical existente em sua família e com cinco anos começou a cantar em festas da Igreja Evangélica. Sua carreira profissional se iniciou na Rádio Clube Paranaense, em Curitiba (PR). Venceu um concurso de melhor intérprete do folclore brasileiro e foi contratada a partir daí pela Rádio Tupi de São Paulo, para onde transferiu-se logo depois.

Na capital paulista trabalhou nas Rádios São Paulo e Cultura. No início da década de 40, transferiu-se para a Rádio Tupi do Rio de Janeiro, onde apresentou-se ao lado de Dorival Caymmi e Sílvio Caldas. Em 1944, gravou seu primeiro disco, pela gravadora Continental, interpretando a toada "Uma lua no céu... outra lua no mar" (Jorge Tavares e Alaíde Tavares), e o coco "Tapioquinha de coco" (Jorge Tavares e Amirton Valim).

No ano de 1945, casou-se com o maestro Lindolfo Gaya, que conhecera na Rádio Tupi, de São Paulo, e que a partir daí trabalharia nos arranjos de suas músicas entre elas o samba canção "Terra seca" (Ary Barroso) e o baião "Catolé" (Humberto Teixeira e Lauro Maia). Em 1950 foi eleita a Melhor Cantora Folclórica no Congresso Internacional de Folclore, em Araxá (MG).


Edith de Camargo

Em 1952, gravou a rancheira "Toca sanfoneiro", dela e Luiz Gonzaga, e a canção "Luar do sertão", de Catulo da Paixão Cearense. Em 1953, começou a gravar obras de Dorival Caymmi como as canções "O mar", "O vento", o samba canção "Nunca mais" e ainda os batuques "Noite de temporal" e "A lenda do Abaeté".

Entre 1955 e 1956 excursionou à Europa, apresentando-se na URSS, França, Polônia, Finlândia, Itália e Portugal, acompanhada do maestro Lindolfo Gaya.

Dedicada ao estudo e pesquisa do folclore brasileiro, gravou diversas composições de domínio público e folclóricas, com diversos LPs dedicados a distintos aspectos da música popular e folclórica, entre os quais: "Modas e modinhas", com modas de viola e modinhas, antigas e modernas; "Vamos todos cirandar", com canções de roda; e "Músicas do nosso Brasil", com canções tradicionais brasileiras.

A gravação do projeto “Tributo à Stelinha Egg: A Grande Cantora do Paraná” foi realizada na Sala Marita França, dentro da Casa Heitor Stockler de França, unidade do Sesi Paraná, respeitando os protocolos e as recomendações preventivas para enfrentamento da Covid-19, com todas as normas de segurança para garantir a saúde de todos envolvidos no projeto.

Serviço

"Tributo à Stelinha Egg: A Grande Cantora do Paraná”

Vídeo homenagem à cantora Stelinha Egg, nas vozes de Cris Lemos, Edith Camargo, Helena Bel, Lais Mann, Margareth Makiolke e Rogéria Holtz.

Direção geral: Rodrigo Browne.

Direção musical: Sérgio Justen.

Roteiro e pesquisa: Etel Frota.

Direção de audiovisual: Alan Raffo.


Estreia terça-feira, dia 12, às 18 horas, no canal do Youtube do projeto:

Informaçòes: RB – Escritório de Comunicação | Rodrigo Browne

20 visualizações