© 2015 por Lana Seganfredo & Toca Cultural.

Grupo Antropofocus comemora seu aniversário com a estreia de novo espetáculo

08.11.2019

Companhia teatral curitibana comemora 19 anos no palco e na compra antecipada do ingressos até o dia 10 de novembro todos pagam meia entrada.

 

A falta de empatia que permeia o nosso cotidiano é o ponto de partida para o novo espetáculo do Antropofocus. “Justo Hoje!” coloca no mesmo caldeirão as nobres e as nem tão nobres emoções que habitam um ser humano, no intuito de refletir o momento pelo qual o mundo passa. A estreia será no palco do Teatro Zé Maria, no dia 13 de novembro, onde fica em curta temporada até 24 de novembro.

FOTO: GUSTAVO HORN

 

 

 

No elenco estão Anne Celli, Edran Mariano, Marcelo Rodrigues e Andrei Moscheto. “Nem mesmo uma tragédia parece capaz de tirar as pessoas do torpor que as impede de ver o outro com mais humanidade. Não foi fácil chegar no texto final”, comenta Moscheto, diretor fundador da companhia, que assina a autoria do texto junto com Anne Celli e Bruno Lops.

 

“Estávamos em um caminho. Mas, de repente, a realidade veio com tudo e a criação deu uma guinada forte e meio inesperada. Chegamos na questão da humanidade, ou melhor, na falta dela, pois parece que nem uma tragédia acontecendo diante dos nossos olhos é capaz de nos fazer agir”, pondera.

 

Ele explica que o grupo, conhecido por provocar o riso solto, dessa vez quis levar o riso para outro lugar. “Estamos enfrentando outros desafios estéticos, mas ainda nos seguramos na leveza natural dos relacionamentos para não deixar tudo pesado demais. Até porque não são pessoas absolutamente más as que colocamos em cena. Se fossem o lixo da humanidade seria até mais fácil. Mas, não. Somos nós ali também que, protegidos pelo conforto do lar, não damos conta das tragédias que vão se tornando corriqueiras”.

 

Para o Antropofocus, Justo Hoje! é uma declaração do quanto “nós, seres humanos, estamos perdidos”. “E sobre o quanto somos estúpidos por estarmos passando por isso tudo. Pessoas comuns com um comportamento patético para mostrar o patético que existe em todos nós”, completa o diretor.

 

Projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo do EBANX.

SOBRE O ANTROPOFOCUS

 

Desde a sua fundação, em 28 de outubro de 2000, o Antropofocus dedica-se a observar o ser humano e seu comportamento no cotidiano, sabendo que todas as suas ações podem ser consideradas cômicas, dependendo do prisma pelo qual é observado. Esta premissa inicial instigou o grupo a explorar diferentes formas de comicidade, que podem ser reconhecidas no repertório de 12 espetáculos produzidos pelo grupo ao longo de sua trajetória.

 

Quando o grupo começou a se reunir para montar espetáculos em que todos os artistas pudessem colaborar com a construção da dramaturgia, a improvisação foi o caminho técnico mais viável. Naquela época, enquanto os integrantes ainda cursavam a Faculdade de Artes do Paraná, as referências eram Augusto Boal, Viola Spolin e Dario Fo. Ao desenvolver o caminho para a construção da dramaturgia, no entanto, os atores perceberam o potencial que o improviso em si continha. Com o passar dos anos e com a criação de pontes de comunicação com outros grupos de comédia e improviso no Brasil e no mundo, a amplitude da ferramenta de improvisação ficou cada vez mais evidente e era necessário buscar uma maneira de poder extrapolar sua utilização, com um detalhe: sem abrir mão da teatralidade.

 

As bases de estudo do Antropofocus vieram de outros grupos de humor, como: o Monty Python (Inglaterra), com a liberdade da linguagem nonsense; o Les Luthiers (Argentina), com seus textos de humor refinado e jogos de palavras; o Asdrúbal Trouxe o Trombone (Brasil), pelo processo colaborativo de criação; os Parlapatões (Brasil) pela referência de ser um grupo de pesquisa de humor.

 

Além das parcerias e do desenvolvimento da pesquisa continuada, para a construção dos espetáculos, importantes artistas contribuíram para o aprofundamento do Antropofocus nas pesquisas sobre humor, possibilidades cômicas e construção dramatúrgica, entre os quais: Marcio Ballas (SP), Gustavo Miranda (Colombia), Daniel Nascimento (SP), Omar Argentino (Espanha), Adriana Ospina (Colombia), Frank Totino (Canadá), Shawn Kinley (Canadá), Daniel Tausig (SP), Rafa Pimenta (SP).

 

Justo Hoje!, com o Grupo Antropofocus

Quando: de 13 a 24/11/2019. De quarta a sexta-feira às 20h. Aos sábados às 18 e 20h e aos domingos às 19h.

Local: Teatro Zé Maria (R. Treze de Maio, 655)

Quanto: R$10 (até 10/11). Depois desta data: R$20 e R$10 (meia-entrada).

Please reload

Posts Destacados

Noturnall, Mike Portnoy e Edu Falaschi tocam juntos no dia 14, no Espaço Cult

11.11.2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Escreva seu comentário