top of page
Buscar

Em turnê pela América Latina, Dire Straits Legacy faz bom show, mas não empolga em Curitiba


Formado por integrantes originais da banda britânica criada na década de setenta, o Dire Straits Legacy está novamente em turnê pelo Brasil, com músicos que participaram de formações variadas ao longo da trajetória do grupo. No show esta semana em Curitiba, para muitos, a falta do timbre e da guitarra de Mark Knopfler - voz, guitarra e autor das músicas do Dire Straites, foi sentida do início ao fim, mas não deixou a apresentação perder seu brilho, com um grupo dedicado em manter vivas as memórias e os grandes sucessos da banda, tais como "Solid Rock", "So Far Away", "Sultans of Swing" e "Walk of Life".

Eles costumam dizer que não são covers nem um tributo, apenas grandes músicos reunidos tocando as canções do Dire Straits. É como um legado deixado pela banda que marcou a geração de uma legião de fãs. E nesse quesito, o show não deixa nada a desejar. Talvez perca um pouco a empolgação pelo fato do público ter que assistir a tudo sentado, no Teatro Positivo, sem poder dançar ou interagir com os músicos, o que deixou o clima meio morno. Diferente da última apresentação da banda em Curitiba, em 2017, numa casa de shows em que o público pode dançar à vontade.

A história da banda começa em 1977, formada por Mark Knopfler (guitarra e vocais), seu irmão David Knopfler (guitarra), John Illsley (baixo) e Pick Withers (bateria). Porém, até chegar ao seu fim nos anos noventa, muitos músicos participaram de diferentes fases e álbuns. Marco Caviglia, um grande admirador e fã de Mark Knopler, propôs o retorno da banda num festival no norte da Itália, em 2013. Milhares de pessoas assistiram às cinco apresentações do projeto na época (sem David e Mark), servindo como um ponto de partida para a retomada do grupo.

Dire Straits Legagy

Desde então, eles passaram a fazer várias turnês e pelo Brasil esta já é a terceira vez. Segunda em Curitiba.

Na formação atual estão Alan Clark (tecladista), Phil Palmer (guitarra e voz), Jack Sonni (guitarra), Mel Collins (Sax), Steve Ferrone (bateria), Trevor Horn (baixo), Marco Caviglia (voz e guitarra), e Primiano Dibiase (teclados).

No geral, eles mostram disposição e um bom desempenho na execução das músicas. O que parece ser o ponto alto é a presença do saxofonista Mel Collins, que tocou com o Dire Straits no álbum e turnê Love Over Gold, em meados de 1982, além do Twisting by the Pool. O músico de 71 anos arrancou suspiros da plateia nostálgica. Mel já tocou com os Stones, Camel, Eric Clapton, Joe Cocker e muitos outros. Provou que está em ótima forma musical!

O Dire Straits Legacy toca em Recife, Pernambuco, nesta sexta (05). Depois segue para apresentações em Salvador (06), Rio de Janeiro (07) e São Paulo (09), indo na sequência para Santiago (Chile) dia 10, e Buenos Aires (Argentina) no dia 11. No retorno da maratona pela América do Sul, eles passam ainda por Goiânia no dia 13 e Brasília dia 14 de abril.

Assista a alguns trechos do show em Curitiba:

135 visualizações
bottom of page