Buscar

As tradições brasileiras do Natal do CTB Querência Santa Mônica

Papai Noel, árvore de Natal, guirlandas e muitos presentes marcam as celebrações natalinas dos brasileiros.|

Seguindo a série de matérias da Toca Cultural sobre os costumes étnicos na comemoração do Natal, conversamos com Andréa Zanchettin de Lima, Diretora Cultural do CTB Centro de Tradições Brasileiras Querência Santa Mônica. Para eles, a celebração segue praticamente os ritos católicos brasileiros, com início à meia-noite de 24 de dezembro.

“Para a maioria da população brasileira, tudo começa com a tradicional ceia de Natal, onde podemos encontrar pratos bem típicos como a rabanada, o chester, o peru, os bolinhos de bacalhau (herança da colonização portuguesa), entre outros. E é na madrugada dessa noite que as crianças ficam à espera da visita do Papai Noel”.

Andréa relata que, para os pequeninos, o Papai Noel é o personagem responsável pela distribuição dos presentes natalinos a todas as crianças do mundo, sobretudo às que se comportaram bem durante o ano.


E essa brincadeira é quase um folclore entre as famílias! Há muitas que já abandonaram o conto, mas outras preservam para manter a magia em torno da data tão especial.


Em algumas cidades do interior, é comum as famílias contratarem um “Papai Noel” pra fazer uma visita na noite de Natal e entregar os presentes a todos. Um teatro que, de tão mágico, passou a se repetir por muitas gerações. E hoje, quem olha fotos de antigos natais, certamente abre um grande sorriso quando vê as imagens daquele Papai Noel mais magrinho, ou gordinho, de máscara, cara pintada de vermelho ou até com uma roupa “verde” improvisada de última hora. Não importa, a alegria de lembrar histórias como estas não tem preço!


Mas quem pensa que tudo fica só na noite de 24 de dezembro, se engana!

“No dia 25, geralmente as famílias brasileiras se reúnem para um almoço de Natal, onde a comilança da ceia da noite anterior continua”, lembra Andréa.

É também quando chegam outros parentes em casa e a festa, muitas vezes, fica maior ainda.


Casa decorada

A decoração é outro fator importante para os brasileiros nessa época. Não é incomum lojas e shoppings estarem totalmente enfeitadas para o Natal já no mês de outubro, logo depois do Dia da Criança. Afinal, a tradição de montar árvores de Natal e presépios é muito popular no Brasil.

Alguns destes costumes chegaram com imigrantes de diferentes etnias, mas logo se mesclaram ao jeito brasileiro de celebrar o nascimento de Jesus e ganharam muito mais cor, luzes, pisca-pisca, e outras adaptações criativas.


E são vários símbolos utilizados para celebrar o nascimento de Jesus Cristo. Os principais objetos e rituais são:


Árvore de Natal

Há muitas versões, mas em sua maioria é algum pinheiro em formato triangular, para representar a Santíssima Trindade. O costume de trazer árvores para dentro de casa e enfeitá-las data da antiguidade, mas começou a ser utilizada pelos cristãos por volta de 1500, com Martinho Lutero.


Papai Noel

É um dos símbolos mais importantes do Natal no Brasil. Sua criação foi inspirada no bispo São Nicolau, que costumava ajudar as pessoas pobres e foi canonizado pela Igreja Católica, na Europa.


Estrela de Belém

Segundo o relato do Evangelho de Mateus da Bíblia, a Estrela de Belém guiou os Três Reis Magos até o local do nascimento de Jesus. Para a religião cristã, a Estrela de Belém simboliza uma estrela-guia para a humanidade. Um dos enfeites mais importantes da árvore de Natal, inclusive, é a estrela, que é colocada em seu topo.


Presentes de Natal

A tradição é inspirada na história dos Três Reis Magos, que levaram ao menino Jesus ouro, mirra e incensos de presente. Um costume que, segundo pesquisou Andréa, também foi influenciada pelo bispo Nicolau, que se tornou São Nicolau e é a inspiração para a figura do Papai Noel. Nicolau era um homem generoso e costumava ajudar as pessoas mais necessitadas.


Presépio

Um símbolo que começou com São Francisco de Assis no século 13, quando ele reproduziu a cena do nascimento de Jesus Cristo com objetos. De origem hebraica, a palavra presépio significa manjedoura de animais ou estábulo. Atualmente, é comum que as pessoas montem seus presépios próximos à árvore de Natal.


Guirlandas

São ramos verdes, presos de forma circular, decorados com frutas vermelhas. Acredita-se que elas sejam uma referência à coroa usada por cristo durante sua crucificação e que as frutas vermelhas simbolizem o sangue. Hoje as guirlandas costumam ser penduradas nas portas das casas e simbolizam um convite para que o espírito natalino entre na casa.


Ceia de Natal

Essa “comilança de Natal” teve início nos povos antigos europeus, que costumavam fazer banquetes para celebrar os alimentos e a fartura do ano. As ceias de Natal hoje costumam ser realizadas na noite do dia 24 de dezembro e são uma das ocasiões mais importantes para a reunião das famílias cristãs.

Réveillon

Andréa destaca também a importância de celebrar a passagem para o novo ano, exatamente uma semana depois do Natal. No Brasil, o réveillon é uma das datas comemorativas mais importantes do ano e é o que motiva as famílias e os amigos a se vestirem de branco, como símbolo de paz e harmonia.


Os fogos de artifício, que agora em muitas cidades estão restritos a pirotecnias sem som, também são indispensáveis. É um show colorido no céu que emociona e marca a noite da virada.

“No Brasil, por exemplo, existem várias tradições herdadas das religiões de matriz africana e afro-brasileira, tais como o candomblé e, principalmente, a umbanda. O culto a Iemanjá com oferendas ao mar é praticado até mesmo por pessoas que não fazem parte dessas religiões, tendo uma grande receptividade com o público católico. Outro hábito herdado dessas religiões é o ato de vestir-se de branco, uma superstição pela promoção da paz e, na origem, um hábito para reverenciar as cores do orixá Oxalá”.

E o que não faltam nessa noite mágica são as simpatias. Para muitos, o réveillon é um momento de renovação, de planejar ou de colocar em prática planos antigos. E são várias as superstições para que tudo ocorra bem, como comer lentilhas, pular sete ondas (o número sete também se relaciona a religiões e crenças), comer sete sementes de romãs, entre outros inúmeros hábitos.


As festas de fim de ano e a pandemia

“O Natal é e sempre será uma época do ano muito especial, rodeada de magia e propícia à intensidade de sentimentos, a qual ninguém consegue ficar indiferente. Isto é, enquanto uns adoram o Natal, outros desejam que esta época festiva passe o mais rápido possível, por múltiplas razões. Sendo a época de reunião da família por excelência, torna-se uma data muito dolorosa quando começam a faltar as pessoas que amamos, à mesa da consoada”, conta Andréa.

E neste ano, particularmente, devido à pandemia que assola o mundo, o Natal será, seguramente, vivido de forma diferente por todos. Se para uns será uma época de esperança, de ainda mais união e de solidariedade, para outros será vivida com amargura, tristeza e preocupação.


“As dificuldades econômicas, a incerteza vivida, a ausência da família, o receio da doença ou mesmo a falta de saúde, o cansaço e o desgaste psicológico que as restrições desta crise pandêmica têm provocado nas pessoas, poderão ensombrar este Natal. No entanto, mesmo que os jantares com os colegas e amigos e as múltiplas festividades com a família alargada não possam existir, talvez esta seja a altura de repensarmos no verdadeiro significado do Natal. Independentemente da crença religiosa, o espírito natalício desperta em cada um de nós a solidariedade, a empatia, o perdão, trazendo à flor da pele a sensibilidade e a afetividade das pessoas. Que este Natal tão atípico nos ensine a oferecer afetos e não presentes! Nos ajude a valorizar a importância de estar presente, valorizando os pequenos gestos e o tempo de qualidade em família! Por isso desejamos a todos um Feliz Natal e um próspero Ano Novo!”, finaliza.

Confira o recado neste vídeo gravado pelo Márcio Helegda, do CTB Querência Santa Mônica!


24 visualizações

Posts recentes

Ver tudo