Buscar

Centro Espanhol comemora 28 festivais, em evento que celebra as etnias no Paraná

Resgate das danças folclóricas da Espanha passou a integrar festival em 1992. |

O Festival Folclórico de Etnias do Paraná comemora 59 edições em 2020. Ao longo de sua história, viu surgir vários movimentos e agremiações que buscam resgatar as memórias e a cultura dos imigrantes que colonizaram o Paraná. E foi a partir de um convite do então presidente da Aintepar - Associação Interétnica do Paraná, Miroslau Mazepa, descendente de ucranianos e engajado nessa valorização das origens, que o grupo folclórico do Centro Espanhol passou a compor também o elenco deste grande evento anual.


Era um grupo pequeno que, em sua primeira participação, fez uma apresentação de meia hora de danças folclóricas. Quem lembra dessa história é a Cônsul Honorária da Espanha e Diretora de Folclore do Centro Espanhol do Paraná, Blanca Hernando Barco, que hoje também é presidente da Aintepar, responsável pela organização e realização do Festival.

“Dividimos a noite com os holandeses, no ano seguinte com os japoneses e depois nos apresentamos sozinhos. Há 28 anos estou a frente da direção do nosso espetáculo, cuidando dos ensaios, mobilizando as pessoas em torno desse resgate das nossas tradições. É praticamente uma vida inteira dedicada a isso”, conta.


Fundado em 1969, o Centro Espanhol do Paraná foi criado para manter as tradições aqui no Estado, e reunir a comunidade de descendentes e imigrantes, ao som de gaitas gallegas, castanholas, danças e trajes vibrantes. Atualmente com 115 integrantes, o grupo sempre se destaca em sua noite de apresentações, na programação do Festival realizado no Teatro Guaíra. Porém, em meio a pandemia de coronavírus, o evento presencial precisou ser reformulado e, numa iniciativa inédita em sua história, será realizado de maneira virtual.


Nos últimos meses, período em que os integrantes estariam reunidos quase que diariamente para a finalização dos ensaios das coreografias, provas de figurinos e elaboração do roteiro de mais um grande show, tudo ficou diferente.


A comunidade espanhola que sempre teve uma programação intensa de festividades ao longo do ano, viu em 2020 tudo mudar! Blanca conta que foi possível realizar apenas uma festa comemorativa e logo veio a determinação pelo distanciamento social.


“Mudou tudo! Estivemos os quinze primeiros dias em isolamento completo. Não sabíamos o que aconteceria, ficamos apreensivos, mas pouco a pouco nos demos conta que precisávamos seguir adiante com nosso trabalho, mesmo imaginando que não haveria Festival Folclórico. Passamos a realizar então as aulas e ensaios, com as turmas de flamenco e da jota aragonesa, através da internet. A princípio, achávamos que não haveria adesão, mas para nossa surpresa até os grupos infantis começaram a ficar ansiosos para ensaiar, cada um na sua casa”, relata Blanca.

O uso das plataformas digitais têm sido uma tendência entre os grupos folclóricos paranaenses, e, para os espanhóis, possibilitou até mesmo uma integração internacional.


“Percebemos que esses encontros virtuais nos deixavam mais próximos para trocar ideias, para conversar e ensaiar. Nosso grupo de folclore gallego, por exemplo, chegou até mesmo a acompanhar as aulas ministradas diretamente da Galícia num projeto chamado escolas abertas. Foi muito inspirador”.



Blanca conta que, recentemente, o grupo chegou a retomar por duas semanas seus ensaios, todos de máscaras e mantendo o distanciamento mínimo exigido. Mas logo veio a recomendação para o retorno ao isolamento e, desde então os encontros têm sido exclusivamente virtuais. A experiência foi tão interessante, que motivou a presidente da Aintepar a não desistir da realização do Festival este ano, que já estava com sua programação comprometida.


“Não poderíamos deixar esta lacuna na história do Festival, que está prestes a comemorar 60 anos. E nessa impossibilidade de realizarmos algo presencial com o teatro lotado, como sempre fizemos, a ascensão das plataformas virtuais chegaram em boa hora, como um alento para todos nós. É algo que vai ficar marcado pra sempre, que vai nos aproximar ainda mais, mesmo que cada um em sua própria casa”.


Na programação do 59º Festival, a apresentação do Centro Espanhol do Paraná será no dia 20 de agosto, quinta-feira, às 20h, com transmissão pelos canais oficiais do evento no Facebook e YouTube.


E para 2021, nas comemorações dos 60 anos do Festival, Blanca está otimista e acredita que tudo já terá voltado ao normal. Mas não descarta a possibilidade das máscaras serem adicionadas aos figurinos.

“Possivelmente será assim mesmo, durante um bom tempo após a pandemia. Soubemos inclusive que os grupos que voltaram a ensaiar, lá na Espanha, usam máscaras também. Mas o folclore espanhol tem uma característica: Não temos contato físico e conseguimos manter o distanciamento dançando. Então acredito que não deve demorar para retomarmos nossos ensaios presenciais também. Vai dar tudo certo. É dessa união e desse otimismo que o mundo precisa”.

Galeria de Fotos

Confira algumas fotos do Centro Espanhol do Paraná, em festivais anteriores.


2019


2018


2017


2016

188 visualizações